Colunistas Zé Maria Ulles
24/02/2017 Filme: Até o Último Homem Nota 7,5

Mel Gibson ARREBENTA na direção!!! Perseguido por Hollywood - após a realização de “A Paixão de Cristo” (2004) - o ator e diretor amargou grande ostracismo... Todavia, em “Até o Último Homem”, ele mostra seu valor para contar uma HISTORIA REAL. Mastigando – Jovem cristão se alista no exército americano durante a Segunda Guerra Mundial. Convicto de seu ideal religioso - de jamais matar - ele se recusa a pegar em armas dentro do quartel, criando, com isso, grande animosidade com seus companheiros de luta. Nas cenas de guerra - e fora dela - o diretor capricha com tomadas abarrotadas de realidade. Elas lembram o filme “O Resgate do Soldado Ryan” (1998) de Steven Spielberg e o seu próprio filme “A Paixão de Cristo” - cenas fortíssimas de violência. Exagero??? De forma alguma: a final de contas, guerra é guerra e Gibson não se controla para RETRATAR a maldade/insensatez humana... Maravilhosa fotografia de Simon Duggan. O roteiro original - de Andrew Knight e Robert Schenkkan - também merece elogios, porém, apesar dos 139 minutos de duração, poderiam ter abordado com maior ênfase o campo psicológico dos parentes do protagonista - enquanto ele lutava no front. Palmas para a edição de som!!! A de imagem idem... John Gilbert assina. Elenco de primeira: O protagonista, Andrew Garfield, que fez “O Espetacular Homem Aranha” (2012), no filme em questão, continua, literalmente, subindo as paredes... Sam Worthington, Hugo Weaving, Vince Vaughn e Richard Roxburgh  acompanham o herói. A mocinha da película é de PARAR a guerra... Bela atuação de Teresa Palmer!!! Com orçamento de 40 milhões de Dólares, faturou 163. A concepção religiosa é belamente mostrada na obra e tem nas lentes do diretor o respeito necessário ao FATO. Se levar o Oscar estará bem entregue... Não perca “Até o Último Homem”!!! Uma bela história de um médico que - Verdadeiramente - honrou a VIDA!!!

DEIXE UM COMENTÁRIO
COLUNISTA
Zé Maria Ulles
Quando menino, tinha o sonho de estudar Astronomia e fazer cinema. O tempo passou, e Zé se formou em Comunicação Social, História, Filosofia e Música.
ÚLTIMOS ARTIGOS