Colunistas Zé Maria Ulles
23/02/2017 Filme: Cinquenta Tons Mais Escuros Nota 5,5

O segundo filme da obra literária de Érica Leonard James perdeu o foco... Saiu do campo da psicologia sexual para adentrar o mundo policial. Ok que sexo e violência andam juntos no campo da libido mas em “Cinquenta Tons Mais Escuros” faltou tesão cinematográfico no roteiro - adaptado por Niall Leonard. Muita gente reclamou que na fita anterior, as cenas de sexo foram poucas e pouco apimentadas. Agora, Leonard esquentou a coisa toda... Mas não só de coito vive um filme. Mesmo que - aparentemente - seja visto como uma obra, singularmente, erótica... Em “Cinquenta Tons de Cinza” ficou claro que não se tratava só disso. Muito pelo contrario, entre beijos e palmadas mais doídas havia uma questão sexual com muito conteúdo. Diria, filosofia  com PEGADA!!! Vem comigo: as figuras sexuais altamente  idealizadas - por cada um de nós - estavam todas lá. Agora, não!!! O diretor, James Foley, conhecido por “Quem é Essa Garota” (1987) - com a cantora Madona de protagonista - não deu vida as cenas. Filme igual a sexo sem preliminar. Edição fraca!!! Richard Francis-Bruce errou na mão. Já a edição de som vale atenção!!! Fotografia regular, no outro, tava mais caprichada. John Schwartzman assina. O que leva mesmo o expectador ao orgasmo são as músicas. Belas canções!!! Para as mulheres o galã, Jamie Dornan, está mais encorpado - realmente ele ‘incorporou’ melhor o papel. No filme anterior, parecia meio deslocado. Já, Dakota Johnson, continua valendo o ingresso. A moça tá livre das amarras, liberou geral!!! O resto do elenco continua o mesmo: Kim Basinger, Eloise Mumford, Victor Jose e Marcia Harden. Mastigando – Multimilionário tenta recuperar o amor de sua namorada mas para reconquistá-la, tem que ceder em seus caprichos/loucuras sexuais. Como o amor fala mais alto, a protagonista aceita a proposta, porem se depara com o passado sombrio do enamorado.  A trilogia termina, em 2018, com o filme “Cinquenta Tons de Liberdade”. Infelizmente, a direção será novamente do INEXPRESSIVO James Foley. Vai foder mal assim...

DEIXE UM COMENTÁRIO
COLUNISTA
Zé Maria Ulles
Quando menino, tinha o sonho de estudar Astronomia e fazer cinema. O tempo passou, e Zé se formou em Comunicação Social, História, Filosofia e Música.
ÚLTIMOS ARTIGOS