Colunistas Zé Maria Ulles
22/02/2018 Filme: Lady Bird Nota 7,0

A forma levemente adocicada que a diretora, Greta Gerwig, dá ao filme faz o expectador se encantar pela obra. “Lady Bird” tem sabor infanto-juvenil e ao mesmo tempo de profunda ‘lembrança’ para os adultos. Como primeiro trabalho na direção cinematográfica, Gerwig mostra ótimas tomadas e muita sensibilidade na condução da câmera. Mas o forte dela é o roteiro!!! “Lady Bird”, aparentemente, não quer chegar a lugar algum e ao mesmo tempo alcança a todos - mostrando um senso crítico aguçado e uma visão de mundo como ele é: ORDINÁRIO!!! Onde as expectativas não são atendidas por fatos, mas sim, no processo da vida. Outro ponto forte da fita: o bom HUMOR permeia quase todo o trabalho. A jovem atriz, Saiorsi Ronam, tem magnífico desempenho. Ao mesmo tempo que interpreta uma ‘aborrecente’, se transforma numa antenada jovem questionadora... Ainda no elenco: Laurie Metcalf e Tracy Lett. Muito boa a edição - tirando um corte abrupto com uns dez minutos de projeção. Nick Houy assina. A película é a prova que com roteiro competente pode se fazer filme bom e barato. Custo de 10 milhões de Dólares. Arrecadação de 44 milhões. A fita tem 93 minutos de duração, porém, cabia mais uns dez. A crítica norte americana bateu palmas para a obra. Média 8.8 em 10.0. Mastigando - Família de classe média baixa tem filha adolescente de personalidade forte. Diante de seu temperamento, a protagonista está sempre as turras com a educação rígida da mãe e a forma quadrada da   escola/religiosa que frequenta. Não perca “Lady Bird”!!! Leve e RISONHO como a juventude. 

DEIXE UM COMENTÁRIO
COLUNISTA
Zé Maria Ulles
Quando menino, tinha o sonho de estudar Astronomia e fazer cinema. O tempo passou, e Zé se formou em Comunicação Social, História, Filosofia e Música.
ÚLTIMOS ARTIGOS