Colunistas Pepperina
12/11/2019 NAVE A NAVEGAR Por :Luziana Navarro

Desertar irei eu
Viking guerreiro
Baixei todas minhas guardas
E você, intrépido na sua surdez
De mim se desfez
Quanta desfaçatez
Ao notar minha tez
Tremia toda de vez
Portanto
Parto eu a sangrar...
...O mar
Minha embarcação
A vazar
Meu peito sem velas para içar
Que adianta o vento a soprar?
E essa tempestade
Dentro de mim
A me afogar
Sem ter seus braços
Para me salvar
Eu bebo todo o oceano
E vazia continuo de você
Impiedoso navegante
De mim errante
A mim tudo é tão delirante
Estou ofegante
Enxergo sequer o horizonte
De você não me foge a fronte
Sem causa não sou efeito
Preciso que apertes meu peito
Apague da sua mente
Tudo que te deixa demente
Para tudo q não seja
Aquele pensamento frequente
Vou e ainda assim fico
E assim já começo outra poesia
Nessa compulsão sadia
Que me atormenta todo dia
V enterrou meus pés no chão
Do fundo do mar
Aqui agora é meu lar

DEIXE UM COMENTÁRIO
COLUNISTA
Pepperina
Mulher quente, polêmica, sem papas na língua. Adora eventinhos sociais e o politicamente incorreto.
ÚLTIMOS ARTIGOS