Colunistas Junior Ramalho
20/04/2016 Propaganda Candanga: Linda como o céu, ardente como a seca

Para quem está em Brasília há décadas, como eu, e milita na área de propaganda, fica até meio suspeito fazer homenagens à profissão no mês de aniversário da nossa amada capital. Tanto pelo lado bom, pois devo a esta cidade toda a minha carreira, mas também por sempre ter sido crítico e escancarado na hora de meter o cacete em tudo o que foi e continua errado. Ou seja, suspeito. Mas não há como falar de 56 anos de BSB, sem falar de propaganda, nem que seja de forma superficial. No Núcleo Bandeirante, passando pelas memoráveis campanhas “Fofi, Fofi, Fofi”. “Caderneta de poupança Comeia”, “Trucs”, dentre muitas outras dos anos 70, 80 e 90, até os dias de hoje, com as do novo século, tipo... Ah, não lembro de nada mais recente que mereça citação, agora, mas deve ter, sim...

O que não se pode negar é que Brasília tornou-se o paraíso para algumas das mais importantes agências de propaganda do País, em função das contas milionárias aqui sediadas, que as obrigam a montar filiais na nossa cidade, o que resulta em belas vagas de trabalho para os nossos profissionais. Poucas vezes nos cargos de direção que são ocupados por alienígenas que passam três ou quatro dias por semana por aqui, mas depois voltam para as suas cidades, dependendo da origem dos deputados, senadores, que acabam “ganhando” as concorrências públicas dessas suculentas máquinas de fazer propaganda. Não é denúncia, apenas constatação neste período de festa em Brasília, aliás, eu próprio já labutei muito em grandes agências que aqui se instalaram. E adorei.

E já que é para vincular os parabéns à nossa cidade com a propaganda local, não dá para esquecer grandes formadores de profissionais, começando pelas agências pioneiras e seguidoras: Grupo Jovem, Oficina de Comunicação, Know-How, GBP, Atual, Ratto Villa Central... E também as “de fora”, como SGB, PUBLICITTÁ, SALLES, MPM, NORTON, que prestigiaram os nossos meninos e meninas saídos das nossas universidades. Claro que devo ter esquecido uma ou outra agência importante para o nosso mercado, mas já estou pesquisando há mais de dois anos sobre a história da nossa propaganda e, se tudo der certo, em breve, vou relatar tudo em um livro, onde garanto que não vou esquecer nada nem ninguém!

Na área acadêmica, onde tive o orgulho de batalhar por décadas, seria no mínimo injusto não homenagear os tradicionais do mercado “Ceubão” e UnB... Sem esquecer os posteriores e já mais organizados cursos da Católica, UPIS, ICESP, JK... Ah, que saudade e orgulho. O que importa, mesmo, é que Brasília não apenas forma, mas também exporta profissionais para todo o Brasil. Triste mesmo é ver tanta gente boa e competente ser demitida. Mas já que Brasília ficou conhecida como a capital da esperança, tenho fé de que tudo vai mudar e os bons tempos vão voltar.

E para quem gosta de Brasília com pimenta, não deixe de ler, curtir e compartilhar a PEPPER, que é a cara dessa cidade. Fala de tudo o que nos interessa, inclusive de propaganda e marketing. “VEJA” bem, “ISTO É” um “EXAME” imparcial das “CARAS” da nossa “CAPITAL”. Faça parte!

 

Viu como não dá para não ser suspeito? Eu quero mais é PEPPER na veia. Parabéns, Brasília, meu AMOR.

DEIXE UM COMENTÁRIO
COLUNISTA
Junior Ramalho
Propaganda & Marketing - Sócio-Diretor da Pódio Propaganda e Marketing, responsável pelas áreas de Criação e Planejamento.
ÚLTIMOS ARTIGOS