Destaque Atuais
00/00/0000 Estudantes temem que ajuste fiscal diminua o número de vagas em concursos

Nos cursinhos preparatórios para concursos públicos, um assunto tem ocupado as rodas de conversa mais do que os detalhes da Lei nº 8.112 — a cartilha do funcionalismo — e os macetes para as questões de cálculo. O arrocho fiscal prometido (e esperado) para o início do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff preocupa os concurseiros, que preveem um número bem menor de vagas e seleções oferecidas em 2015.

A apreensão dos estudantes faz todo sentido, no entender do professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) Nelson Marconi, especialista em política e economia do setor público. “O governo terá de ser bastante rigoroso com os gastos e o mais provável é que, por isso, não haja um número significativo de concursos no ano que vem”, comentou. O calendário de provas poderá ser muito parecido ou mesmo mais minguado que o de 2014, que, com Copa do Mundo e eleições, já não foi o dos melhores para quem sonha com a estabilidade.

Diante da real necessidade de melhorar as contas públicas, em meio a um cenário de economia estagnada, Marconi defende que, no mínimo, a nova equipe de Dilma adote critérios firmes no lançamento de editais para a ocupação de cargos no governo federal. “Não sabemos o que vai ocorrer, mas a folha de pessoal pesa muito. A presidente precisará escolher bem para quais setores vai autorizar contratações”, acrescentou.

Cronograma

A torcida dos concurseiros é para que as seleções já solicitadas ou autorizadas saiam logo do papel, garantindo um cronograma mínimo. Aparecem nessa lista certames cobiçados, como o do Tribunal de Contas da União (TCU), do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), do Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJ-DF) e da Polícia Civil do DF. Caso confirmados esses editais, estariam em jogo pelo menos 5,3 mil vagas.

 

Fonte: Correio Braziliense

DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
                  
Gislaine | Pizza Á Bessa | AR YAPUANA | AR YAPUANA | Fármacia de Manipulação