Destaque Na Paraíba
21/03/2017 Redação Macaco é resgatado após passar 20 anos vivendo com casal na Paraíba Macaco-prego tinha sido resgatado de incêndio em mata, diz criador. Animal silvestre era criado em casa sem autorização do Ibama, diz PM.
Redação
Foto: Walter Paparazzo/G1

Um homem foi encaminhado na segunda-feira (20) para Central de Polícia, no bairro do Geisel, em João Pessoa, por criar um macaco-prego dentro de casa, no bairro de Mangabeira, na capital paraibana. Segundo informações repassadas pela Polícia Militar Ambiental, o flagrante foi feito durante uma operação de buscas para localizar motocicletas roubadas. Segundo o criador do animal, ele cuidava do macaco há 20 anos.

Durante a operação, policiais identificaram o macaco-prego sendo criado na casa e preso por uma coleira. Por se tratar de um animal silvestre, o criador do animal foi autuado e encaminhado até a delegacia. Milton Pereira, encaminhado pela polícia por criar o animal silvestre sem autorização, explicou que salvou o macaco durante um incêndio em uma área de mata.

“Ele era pequenininho, estava nas costas de um macaco maior, não sei era o pai ou mãe. Quando começou o fogo, ele caiu. Eu entrei dentro da fumaça, resgatei ele e nesse tempo todo eu cuidei dele”, explicou o homem autuado pelo crime ambiental.

Ainda de conforme Milton Pereira, o macaco chegou a se soltar várias vezes, mas sempre retornava para casa ao ouvir os chamados do dono. “Eu pensei em doar para a Bica [o Parque Zoobotânico Arruda Câmara em João Pessoa], mas minha mulher é muito apegada a ele. E além disso, eu achava que os macacos da Bica podiam judiar dele, por ser novato, não fazer parte do bando”, comentou Milton, que confidenciou que sua esposa ficou chorando após a Polícia Ambiental apreender o animal.

Conforme o comandante da Polícia Ambiental, major Cristovão Lucas, Milton Pereira foi autuado por crime ambiental e multado em R$ 500. Após prestar depoimento, o dono do macaco foi liberado e não precisou pagar fiança. Ele deve responder ao processo em liberdade. O crime ambiental de criar animal silvestre sem autorização prevê pena de seis meses a um ano de prisão.

O macaco-prego foi encaminhado ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) de Cabedelo, na Grande João Pessoa, onde vai passar por exames e em seguida ser liberado na natureza. O macaco-prego são muito comuns na América do Sul e podem viver até 40 anos.

 

Via: G1

DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS