Cultura Diversão e Arte
20/02/2018 Redação Oficina Tristão e Isolda, a materialização do texto Depois de dois anos buscando patrocínio para montar sua versão de Tristão e Isolda, sendo duas vezes frustrado no FAC por pontuação, James Fensterseifer resolveu lançar a encenação de sua dramaturgia como uma oficina de interpretação e montagem.
Foto: Emília Silberstein

Com longa experiência teatral – tendo,inclusive, atuado constantemente como produtor e iluminador – o diretor e dramaturgo James Fensterseifer está promovendo sua primeira oficina de interpretação e montagem. No evento, que seguirá uma metodologia desenvolvida pelo próprio diretor, os alunos serão conduzidos pela montagem de sua mais recente dramaturgia. Sua intenção é oferecer aos participantes uma incursão por seu método de encenação de um espetáculo.

Para tal, foi escolhida sua adaptação de Tristão e Isolda: lenda medieval, que apresenta o mito do amor romântico. Trata-se de uma história de amor desautorizado. Um conto de aventuras, intrigas, morte e redenção, que já serviu de inspiração para diversas peças, óperas, esculturas e pinturas ao longo dos tempos. No ocidente, Tristão e Isolda foi a primeira história a lidar com o amor romântico, sendo considerada, portanto, como a fonte na qual se baseou toda a literatura romântica, desde Romeu e Julieta até as histórias de amor hoje em cartaz nos cinemas.

A oficina, que é voltada para atrizes e atores já com alguma experiência em interpretação, será ministrada pelo próprio James Fensterseifer, cujo trabalho de pesquisa e encenação de temas medievais (entre outros textos, ele montou a trilogia Os Antepassados, de ítalo Calvino), já lhe rendeu montagens premiadas. Além disso, seu método textocentrista (encenação a serviço do texto) – que busca a encarnação da alma e a conquista da voz da personagem existente no próprio texto escrito – é raro e muito eficaz em transpor os clássicos da literatura para o palco contemporâneo. 

SERVIÇO:

Oficina: Tristão e Isolda - A Materialização Do Texto

Orientador: James Fensterseifer

Metodologia: exercícios cênicos, estudo do texto e ensaios de estruturação de cenas.

  •   Aquecimento Corporal e Vocal;
  •   Presença, Atitude e Imaginação Cênica;
  •   Texto (estudo: voz, intenções, ações);
  •   Improvisação e jogo;
  •   Interpretação e Composição das Cenas; e
  •   Montagem do espetáculo.

Resultado: Composição dos personagens e relação entre eles e montagem do espetáculo.

Público: Atores e atrizes, com alguma experiência em interpretação, interessados em vivenciar a transposição de um clássico da literatura para o palco.

Local: Casa dos 4 (SCLRN 708, Bloco F, Loja 42).

Duração: de 05 de março a 11 de julho de 2018.

Dias e horários: segundas e quartas, das 19h30 às 22h.

Apresentações e ensaio geral: 12, 13, 14 e 15 de julho.

Informações e Inscriçõesdesvioproducoes@gmail.com / 98425-6885 (Desvio Produções).

Investimento:

  •   Total à vista: R$850,00, no ato da matrícula;
  •   Total parcelado no boleto bancário: R$940,00: 4x de R$235,00, 1º no ato da matrícula + 3 com vencimento até o dia 20 de cada mês;
  •   Total parcelado no cartão de crédito: R$960,00: 4x de R$240,00 (duzentos e quarenta reais), no ato da matrícula. 

Sobre James Fensterseifer

James Fensterseifer é diretor de teatro, dramaturgo, produtor cultural e light designer. Destaca-se como um dos precursores do movimento cultural de Brasília-DF, que teve seu início nos anos 80. É um dos criadores do projeto Jogo de Cena, um dos mais tradicionais eventos culturais do Distrito Federal.

Em 2001, iniciou a Cia Brasilienses de Teatro, na qual começou sua carreira como dramaturgo e diretor teatral. Com a companhia, desenvolveu um trabalho de pesquisa, baseado na transposição de clássicos da literatura para os palcos, construindo uma dramaturgia que renovou a cena teatral brasiliense.

Adaptou para o teatro, construindo a dramaturgia e encenando, os romances: O Barão nas Árvores, O Visconde Partido ao Meio e O Cavaleiro Inexistentes de Ítalo Calvino; A Hora da Estrela de Clarice Lispector; Como Me Tornei Estúpido de Martin Page; Academia de Inquietud de Mário Kuperman; Uma Criatura Dócil de Fiodor Dostoievski; entre outros.

Em 2012, com seu texto Entrevista com Ele, ganhou o Prêmio SESC Candango do Teatro Brasiliense de melhor dramaturgia.

Em 2017, foi professor de Direção Teatral na faculdade Dulcina de Moraes.

DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS