Cultura Diversão e Arte
13/06/2019 extra.globo.com Passageiros fazem festa no metrô do Rio com direito a bolo, salgadinhos e até cerveja
extra.globo.com
extra.globo.com

Quando o relógio marca 4h55, um pequeno tumulto se forma na estação do metrô da Pavuna, na Zona Norte do Rio. A primeira composição sai às 5h, e alguns passageiros se acotovelam para garantir lugar no vagão mais animado do trajeto: o penúltimo carro, onde os passageiros organizam todos os dias uma verdadeira festa, com direito a salgadinhos, bolo e até cerveja. A bagunça percorre toda a Linha 2 do metrô e só acaba em Botafogo, quando o desembarque é obrigatório.

Na manhã desta quarta-feira, o clima era de festa junina. Com chapéu de palha e camisa xadrez, os passageiros faziam circular no vagão os quitutes: uma bandeja de pastéis, outra de coxinhas, uma travessa com batatas doces cozidas, um prato cheio de sanduíches, um bolo de formiga e um pote de pé-de-moleque, além de café, refrigerante e cerveja. Os mais animados dançaram quadrilha no corredor da composição, enquanto outros gritavam frases como: "Olha a cobra, é mentira!".

 

 

— Nos conhecemos aqui e criamos uma família. Todo mundo se respeita, todo mundo se ama — diz Rosane Paiva, de 60 anos, que trabalha em um consultório odontológico em Copacabana.

Conhecida como Tia, Rosane é uma das mais empolgadas do grupo. Quando ela embarca, em Coelho Neto, terceira estação a partir da Pavuna, é recebida com palmas e gritos.

— Nasci no dia 31 de dezembro e sempre fui festeira. A gente vai brincando o trajeto todo. Acho que um dia vamos ser expulsos do metrô — diverte-se ela, que não dispensa uma latinha de cerveja antes de pegar no batente: — É para acordar.

 

 
Vídeo incorporado
Jornal Extra
 
?@jornalextra
 
 

Passageiros fazem festa no metrô do Rio com direito a bolo, salgadinhos e até cerveja: https://glo.bo/2Kc5eZ7 

 
215 pessoas estão falando sobre isso
 
 

 

As comemorações são combinadas previamente em um grupo de WhatsApp formado pelas pessoas que pegam todos os dias aquele mesmo vagão. Lá, eles decidem o que será levado para comer e beber e fazem a divisão dos valores.

Ninguém sabe dizer ao certo quando começou a tradição festeira do penúltimo vagão da primeira composição da Linha 2. Uns falam que surgiu há dois anos, outros estimam que a bagunça já acontece há mais de cinco anos.

— Antes, cada um tinha um grupinho, depois fomos nos reunindo. Hoje, é essa festa sempre. Ninguém aqui precisa de motivo para comemorar — diz o porteiro Armando Rangel, de 39 anos.

 

Passageiros levam comes e bebes para a festa
 
Passageiros levam comes e bebes para a festa Foto: FABIANO ROCHA / Agência O Globo

 

O grupo é formado por passageiros que moram em diferentes regiões da cidade e acabaram se conhecendo por fazerem o mesmo trajeto e sentarem no mesmo vagão. Tem gente que mora na Zona Oeste, como a auxiliar de cartório Margarete Carmo de Melo, de 40 anos, que vem de Campo Grande e trabalha no Centro, e há quem more na Baixada Fluminense, como o motorista Alessandro José do Nascimento, de 48 anos, que mora em Nova Iguaçu e trabalha em Copacabana.

— Eu sempre peguei esse metrô, mas conheci o penúltimo vagão por acaso, há dois meses. Entrei no penúltimo vagão por engano, comecei a ver a bagunça e acabei gostando. Agora, não saio mais daqui — conta a enfermeira Lucia Regina Franco de 38 anos.

 

 

 

Alessandro de Rosane dançaram quadrilha no vagão
Alessandro de Rosane dançaram quadrilha no vagão Foto: FABIANO ROCHA / Agência O Globo

 

O marinheiro Luiz Antônio Viana, de 65 anos, também entrou na festa de penetra e acabou ficando.

— Eu gostava de dormir no metrô. Um dia, entrei nesse vagão por engano e ninguém me deixava dormir. Fiquei incomodado no início, mas acabei entrando para a turma — conta ele, que trouxe o pote de pé-de-moleque nesta manhã e foi recebido com os passageiros cantando: "Lá vem o negão, cheio de paixão..."

Os festeiros reconhecem que a barulheira não agrada a todos. Embora o grupo não use nenhum dispositivo de áudio, que é proibido pelo Metrô Rio, a cantoria rola solta durante toda a viagem. Segundo relatos, já houve até quem comprasse um tampão de ouvido para diminuir o incômodo.

Nesta manhã, enquanto a Tia rebolava ao som de "A nova loura do Tchan", um momento de tensão se formou quando uma passageira gritou, de longe, uma palavra de ordem: "Silêncio!". Os passageiros se entreolharam e, ao verem que a crítica era apenas uma brincadeira, começaram a gritar, em um coro bem ritmado: "Silêncio, silêncio, silêncio".

DEIXE UM COMENTÁRIO
TAGS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS